Por que a Nutrição Clínica Funcional é uma Especialidade

Estou formada desde 1987 e minha trajetória profissional foi bastante rica e diversificada, iniciei na área de alimentação coletiva em empresas, tive uma empresa de alimentos congelados, trabalhei junto a uma empresa que atua na área de emagrecimento através de palestras. Aos poucos minha atividade foi sendo direcionada para a prática clínica. Pessoalmente não sou acomodada e não poderia ser diferente na vida profissional, sempre me incomodava a idéia de que o tratamento do paciente que me procurava, e na maioria das vezes, para emagrecer, era simplesmente uma dieta hipocalórica equilibrada e que meu trabalho era de educação nutricional.

Sentia que havia diversos fatores bioquímicos, emocionais e sociais envolvidos e apesar de estar constantemente buscando enriquecer meus conhecimentos não avançava muito em minha prática clínica.

Quanto ao trabalho junto aos pacientes costumava obter resultados positivos, mas de uma forma cíclica. O paciente vinha de uma sucessão interminável de dietas fracassadas relatando que era mais uma tentativa e que precisava de uma dieta para emagrecer rapidamente. Minha posição era instruí-lo sobre a necessidade de fazer reeducação alimentar com a adoção de novos hábitos alimentares e que este processo é que o faria emagrecer e manter-se magro.  As pessoas que encaravam este processo e modificavam seu estilo de vida, incluindo atividade física e hábitos alimentares saudáveis, conseguiam excelentes resultados. Porém, com a maior parte da clientela tinha o mesmo retorno: chegava ao peso, recebia uma dieta de manutenção e encerrava o tratamento. Algum tempo depois esta pessoa retornava, pois havia engordado tudo novamente.

Alguns pacientes se tratam comigo há 10, 12 anos, pois desta forma mantendo um vínculo conseguem manter-se vinculados também a um controle alimentar.

Em minha prática clínica nunca fui de basear meu tratamento apenas na questão matemática do emagrecimento, por não concordar que contar calorias fosse o mais adequado para quem deseja emagrecer e manter-se magro. Percebia que os pacientes ganhavam muito mais do que perder peso, pois ganhavam qualidade de vida.

O que sempre motivou meu trabalho como nutricionista foi otimizar a saúde e o bem estar. Acredito que uma vida saudável é feita de hábitos saudáveis, mas me parece que o aprendizado da graduação não era suficiente e que saber o papel dos macro e micronutrientes não era suficiente, diversos aspectos interferem na disposição para fazer a dieta, nos resultados bioquímicos e antropométricos para os quais eu não tinha resposta. Isso diariamente me deixava angustiada em não poder ter respostas para dar àqueles que me procuravam.

Para citar alguns casos estão meninas de 15 anos com alto índice de gordura corporal, frustradas com as inúmeras dietas fracassadas, mostrando fraqueza e apatia; senhoras de 45 anos com dores musculares e articulares, sem conseguir praticar exercícios físicos, completamente descrentes dos tratamentos convencionais; homens com 50 anos fazendo uso de mais de 6 medicamentos diários, sofrendo de apnéia, hipertensão e diferentes disfunções; crianças com colesterol elevado, alterações glicêmicas, sofrendo de constantes crises alérgicas.

Estas situações me faziam pensar que não podia haver apenas um caminho a tomar – reeducação alimentar através de uma dieta equilibrada. Eu precisava ter mais respostas e ir além do que vinha fazendo costumeiramente. Foi então que tomei conhecimento de um curso de extensão sobre Nutrição Funcional em 1999 com o nutricionista Gabriel Carvalho, e click here ao fazer este curso se descortinou uma nova visão da nutrição, e que na verdade estava em algum lugar nas minhas angustias, eram as respostas que eu estava buscando. Fiz o curso naquele ano e no seguinte, fui aos poucos modificando meus hábitos alimentares e os de minha família.

A minha vida pessoal também motivou o estudo de uma nutrição mais abrangente, pois tenho uma filha, atualmente com 8 anos que nasceu com alergia à proteína do leite de vaca e que sofria de asma e rinite alérgica, fazia tratamentos convencionais à base de corticóides que provocavam efeitos colaterais muito ruins como excesso de peso, irritabilidade, insônia, dermatite. Como eu e os médicos que a tratavam, ignorávamos sua alergia, continuava fazendo uso de lacticínios. Ao tomar conhecimento sobre as alergias alimentares, iniciei uma dieta com exclusão de leite e derivados, bem como a introdução de novos hábitos alimentares e aos poucos as melhoras foram acontecendo. Engravidei novamente e como estava nutricionalmente mais equilibrada meu filho nasceu sem alergias, não teve as tradicionais cólicas, tampouco passou pelas inúmeras otites, laringites e amigdalites que a menina teve. Atualmente meus filhos parecem crianças mais resistentes que os demais, pois não utilizam antialérgicos ou fazem nebulização, seus resfriados são passageiros e acredito que esta resistência está ligada aos novos hábitos e tratamentos que introduzimos em nosso dia a dia.

Assim que foi possível iniciei o curso de Pós-graduação em Nutrição Funcional e considero um grande passo em minha vida pessoal e profissional.

Gradativamente fui introduzindo novas rotinas no consultório como as dietas de eliminação para investigar alergias alimentares, fui suplementando vitaminas e minerais quando necessário, introduzindo alimentos fonte de ômega 3, 6 e 9, dietas de detoxificação hepática para eliminar toxinas e radicais livres em excesso, corrigindo a hipermeabilidade intestinal quando presente, enfim utilizando o aprendizado do curso.

Os resultados foram aparecendo e as pessoas ficando maravilhadas. Como a vontade de comer doce no final da tarde havia passado? Como as dores de cabeça haviam sumido e a disposição para exercícios físicos havia retomado?

Não atendo apenas pessoas com problemas relativos ao peso, mas vem porque a colega melhorou da pele e da memória, vem porque a tia conseguiu resolver seu problema intestinal, porque o filho da amiga começou a dormir a noite toda depois que consultou e assim por diante. Casos como estes são o dia a dia e as pessoas ficam maravilhadas com o resultado que tem apenas comendo certo e repondo nutrientes que antes não utilizavam.

Encontrei na Nutrição funcional o que procurava um atendimento completo que vê o indivíduo como um todo inserido em um contexto que envolve sua história familiar, o ambiente em que vive e os paradigmas aos quais está inserido.  Sou uma apaixonada pela nutrição e passo isso para as pessoas que convivem comigo, uso uma idéia que ouvi da  Profa Denise Carreiro “somos constituídos de células e como as células dependem de nutrientes, quanto mais adequada for a nutrição em termos de ingestão, digestão, absorção, utilização e eliminação mais equilibrado estará o individuo.”

 

Maribel Gonçalves de Melos CRN2 1699

Nutricionista formada pelo IMEC em 1987. Faz atendimento clínico nutricional em consultório próprio desde 1993. Especialização em Nutrição Funcional pelo Centro Valéria Paschoal de Educação.